Após polêmica sobre zerar redação, 6,7 milhões fazem 1ª prova do Enem

Postado por kitosvideolocadora@hotmail.com. Categoria: Concursos, Cultura, Cursos, Destaque, Dinheiro, Economia, Educação, Emprego, Entretenimento, Escolas, Estado, Geral, Informática, Justiça, Nacional, Segurança, Sem categoria, Sul Capixaba

Tags: , , , , , , , ,

Publicado em 05 novembro, 2017 com Sem Comentários

Portão fecha às 13h do horário de Brasília. Somente caneta preta é aceita.

Candidatos fazem prova de redação e ciências humanas neste domingo (5)   Alex Silva/Estadão Conteúdo/26.10.2013

Após o MEC (Ministério da Educação) perder na Justiça a batalha para zerar redações que firam direitos humanos, 6.731.203 inscritos realizam neste domingo (5) a primeira prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Neste ano, o exame é dividido em dois domingos consecutivos.

A redação faz parte deste primeiro dia. O MEC, que previa no edital zero para textos que desrespeitassem questões ligadas a direitos humanos, afirmou no sábado (4) que não recorrerá de decisão do STF (Supremo Tribunal Federal). Com isso, redações que ataquem questões do gênero não serão zeradas automaticamente.

Além da redação, os candidatos também fazem neste domingo (5) os exames de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e de Ciências Humanas e suas Tecnologias. Para o dia 12, ficam as provas de Ciências da Natureza e suas Tecnologias e Matemática e suas Tecnologias.

Serão aplicadas 90 questões de múltipla escolha por dia de prova.

Os portões abrem ao meio-dia e devem fechar às 13h pelo horário de Brasília. Com o horário de verão e diferenças de fusos horários, os estudantes precisam ficar atentos, pois vários Estados estão com a hora local diferente da capital federal.

Só caneta preta transparente

É obrigatório levar caneta esferográfica de tinta preta e fabricada em material transparente. Outra cor de tinta impossibilita a leitura óptica do cartão de respostas. Também é necessário um documento oficial de identificação original com foto como passaporte, cédula de identidade, certificado de reservista entre outros. Cópias simples, cópias autenticadas ou documentos sem foto porque não serão aceitos.

Esta edição traz novidades. Além das provas serem realizadas em dois domingos consecutivos e a redação neste primeiro domingo, as provas terão o nome e o número de inscrição dos candidatos. Também serão realizadas vídeoprovas em Libras (Língua Brasileira de Sinais).

É proibido o uso de celular ou qualquer aparelho eletrônico durante as provas. Os aparelhos terão de ser colocados em um porta-objetos com lacre, que deverá ficar embaixo da cadeira até o fim das provas. Em anos anteriores, candidatos foram eliminados por postar imagens da prova em redes sociais.

Vale lembrar que, para evitar fraudes, o sistema de segurança do Enem é reforçado com a presença de seguranças e também com detectores de pontos eletrônicos. Além disso, os banheiros de todos os locais de prova terão detectores de metais. Serão 67 mil ao todo, segundo o Inep.

Ao terminar a prova, o candidato deve seguir direto para a saída. Não será possível usar os banheiros. E o que é permitido? Levar água e alimentos.

No dia 16 de novembro será divulgado o gabarito oficial das provas. Em janeiro, ainda sem data definida, serão divulgados os resultados.

Queda nas inscrições

A edição deste ano teve um número menor de inscrições. Em 2016, foram mais de 8 milhões de inscritos. Este ano, as inscrições caíram para 6,7 milhões.

Segundo o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), o Enem deixa de certificar o ensino médio a partir desta edição. A função volta para o Encceja (Exame Nacional para Certificação de Competência de Jovens Adultos).

Outro fator, a taxa de inscrição ficou mais cara. Em 2016, o valor cobrado era de R$ 68 e este ano subiu para R$ 82, um reajuste de 20%. Segundo o Inep, o valor foi para repor a inflação dos anos anteriores.

Candidatos devem ficar atentos: os portões fecham às 13h pelo horário de Brasília

Candidatos devem ficar atentos: os portões fecham às 13h pelo horário de BrasíliaJoão Brito/Estadão Conteúdo/06.11.2010.

Sem Comentários

Comentários de Após polêmica sobre zerar redação, 6,7 milhões fazem 1ª prova do Enem estão bloqueados