Assassinato Entretenimento Geral Internacional Justiça Mulheres Mundo Nacional Polícia Politica Política Política 2016 Segurança Sem categoria Tentativa de Homicídio Transito

Desembargadora que acusou Marielle Franco diz ter se precipitado

Em nota, Marília Castro Neves afirma ainda que ‘a morte trágica de um ser humano é algo que se deve lamentar e seus algozes merecem o absoluto rigor da lei’.

Desembargadora que acusou Marielle Franco diz ter se precipitado. Agora, a magistrada afirma que deveria ter aguardado a conclusão das investigações antes de se posicionar sobre o tema.

A desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), admitiu, em comunicado oficial emitido nesta segunda-feira, 19, que “se precipitou” nas redes sociais quando acusou a vereadora Marielle Franco (PSOL), executada a tiros na noite de quarta-feira, 14, de estar “engajada com bandidos” e ter sido “eleita pelo Comando Vermelho”.

A desembargadora Marília Castro Neves e a vereadora Marielle Franco (Renan Olaz/CMRJ/.)

Agora, a magistrada afirma que deveria ter aguardado a conclusão das investigações antes de se posicionar sobre o tema. “No afã de defender as instituições policiais, ao meu ver injustamente atacadas, repassei de forma precipitada notícias que circulavam nas redes sociais. A conduta mais ponderada seria a de esperar o término das investigações, para então, ainda na condição de cidadã, opinar ou não sobre o tema”, escreveu.

Ela completou dizendo que reitera sua “confiança nas instituições policiais, esperando, como cidadã, que este bárbaro crime seja desvendado o mais rápido possível” e que, “independentemente do que se conclua das investigações, a morte trágica de um ser humano é algo que se deve lamentar e seus algozes merecem o absoluto rigor da lei”.

No afã de defender as instituições policiais, ao meu ver injustamente atacadas, repassei de forma precipitada notícias que circulavam nas redes sociais. A conduta mais ponderada seria a de esperar o término das investigações, para então, ainda na condição de cidadã, opinar ou não sobre o tema

Marília Castro Neves, desembargadora

Em resposta à postagem de um amigo, que defendia a vereadora e lamentava seu assassinato, Marília Neves havia escrito que “a questão é que a tal Marielle não era apenas uma ‘lutadora’; ela estava engajada com bandidos! Foi eleita pelo Comando Vermelho e descumpriu ‘compromissos’ assumidos com seus apoiadores”. A desembargadora ainda seguiu insinuando que a facção estaria cobrando dívidas da vereadora e que “qualquer outra coisa diversa é mimimi da esquerda tentando agregar valor a um cadáver tão comum quanto qualquer outro”.

A publicação ensejou reação do PSOL, que anunciou que entraria com uma representação contra a juíza no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ao jornal Folha de S.Paulo Marília disse que leu as informações que compartilhou “no texto de uma amiga”, também nas redes sociais. Tratam-se de notícias falsas, as chamadas fake news, compartilhadas com o intuito de difamar a vereadora.

Entre outros fatos que também não se comprovaram e que já foram ditos sobre Marielle Franco nas redes sociais estão que ela engravidou aos 16 anos e que foi casada com o traficante Marcinho VP.

 

 

 

Fonte: https://veja.abril.com.br/brasil/desembargadora-que-acusou-marielle-franco-diz-ter-se-precipitado/