Poder Judiciário vai se encarregar de julgar ação de improbidade contra o ex-prefeito de Marataízes

Postado por kitosvideolocadora@hotmail.com. Categoria: Barra do Itapemirim, Destaque, Dinheiro, Economia, Eleições Sul, Emprego, Entretenimento, Estado, Geral, Interior, Internacional, Justiça, Marataízes, Mundo, Nacional, Norte Capixaba, Politica, Política, Política 2016, Região Serrana, Segurança, Sem categoria, Sul Capixaba, Vitória, Vitória-ES

Tags: , , , , ,

Publicado em 14 novembro, 2017 com Sem Comentários

Justiça vai decidir sobre legalidade na contratação de consultorias. A questão é tema central da ação de improbidade contra o ex-prefeito de Marataízes (região litoral sul), Jander Nunes Vidal.

A Justiça estadual vai decidir sobre a legalidade da contratação de empresas de consultoria pela administração pública. A questão é tema central da ação de improbidade contra o ex-prefeito de Marataízes (região litoral sul), Jander Nunes Vidal, o Doutor Jander, por fatos relativos à Operação Derrama, deflagrada no início de 2013. As investigações revelaram um suposto esquema de fraudes na recuperação de tributos em várias prefeituras capixabas.

Na semana passada, o juiz da Vara da Fazenda Pública de Marataízes, Jorge Orrevan Vaccari Filho, fixou os pontos controvertidos (questões a serem resolvidas na sentença) do processo tombado sob nº 0004879-19.2015.8.08.0069. Além do exame sobre regularidade na contratação direta da CMS Consultoria e Serviços Ltda – principal investigada na Derrama –, o magistrado também vai examinar a ocorrência de eventual fraude à licitação, assim como a responsabilidade dos denunciados e a existência de dano ao erário.

No despacho publicado no Diário da Justiça dessa segunda-feira (13), o magistrado levantou ainda a necessidade de descobrir se houve a efetiva prática de atos de improbidade ou aumento significativo do patrimônio dos denunciados em relação aos supostos atos ímprobos. Ele também designou a audiência de instrução e julgamento do caso para o próximo dia 5 de dezembro no fórum do município.

O assunto é o mesmo do julgamento pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) que está suspenso desde setembro deste ano após o pedido de suspeição do conselheiro substituto Marco Antônio da Silva por suposta parcialidade. Enquanto a Corte não se pronuncia em definitivo, todos os processos relativos a consultorias – não apenas sobre a contratação da CMS, mas de todas as empresas que desempenham funções em tese típicas de servidores públicos – estão suspensos.

Na ação de improbidade, o Ministério Público Estadual (MPES) acusa o ex-prefeito e os empresários Cláudio Múcio Salazar Pinto e Cláudio Múcio Salazar Pinto Filho de irregularidades na assinatura de seis contratos entre o Município e a CMS, objetivando a recuperação de créditos tributários. A promotoria aponta que foram pagos quase R$ 360 mil à empresa contratada sem licitação. A denúncia faz menção ao suposto direcionamento da escolha, assim como o fracionamento indevido do objeto dos contratos e o eventual dano ao erário decorrente dos atos ímprobos.

A defesa de Doutor Jander alegou que a contratação “elevou a arrecadação municipal de tributos a patamares nunca vistos na história”, defendendo a regularidade da terceirização da função de cobrança de impostos. Já o advogado dos empresários defendeu que a consultoria se especializou na recuperação de créditos tributários sonegados, decorrentes da exploração de petróleo e gás natural, sendo sua atividade de alta complexidade técnica – o que justificaria a assinatura de três contratos distintos apenas no ano de 2009.

A Operação Derrama foi deflagrada pelo Núcleo de Repressão às Organizações Criminosas (Nuroc), da Polícia Civil, culminando com a prisão de 31 pessoas, entre eles, dez ex-prefeitos. Outros envolvidos também foram alvos dos mandados de prisão, entre eles, ex-servidores públicos e os donos da consultoria. As investigações foram iniciadas em julho de 2012, motivada por uma auditoria do TCE que revelou irregularidades em contratos da CMS com várias prefeituras capixabas.

 

 

 

Fonte: Século Diário

Sem Comentários

Comentários de Poder Judiciário vai se encarregar de julgar ação de improbidade contra o ex-prefeito de Marataízes estão bloqueados