“Papelão”, Hospital Menino Jesus libera corpo de bebê morto para pai levar para casa, e ele desorientado, coloca na geladeira.

0
119
Sueli Dalmazio Cardoso, ficou indignada com o descaso do Hospital Menino Jesus em Itapemirim (Foto; Marcos Kito)

A mãe que perdeu gêmeos, Sueli Dalmazio Cardoso, ficou indignada com o descaso do Hospital Menino Jesus em Itapemirim. A moradora da Ilha do Gato, que estava grávida de seis meses de gêmeos, uma menina e um menino, começou a passar mal com sangramentos e com muitas dores, foi socorrida e encaminhada para o Hospital Menino Jesus em Itaipava. No hospital ela perdeu uma das crianças, e logo foi levada para Cachoeiro para tentar salvar o outro. Ate ai o procedimento era normal.

Segundo a Dn. Sueli Dalmazio, o fato inusitado aconteceu quando a enfermeira do Hospital Menino Jesus entregou a criança morta ao pai, Sr. Manoel Tavaro numa caixa de papelão e orientou que ele colocasse na geladeira, ate resolver o funeral da criança. O pai em estado de choque pela perda do filho, levou a criança e fez conforme orientação, relatou a mãe que hoje teve alta do hospital. Ela disse que a criança morta ficou na geladeira de 10h30m ate às 16 horas, quando o carro da funerária chegou.

A criança morta dentro da caixa de papelão, ao lado dos alimentos

Fato assustador é que na casa havia mais 8 crianças que tiveram que ver o seu irmãozinho morto na geladeira de casa durante 5 horas e meia. A avó das crianças, Sra. Maria Delzeni esta revoltada com o constrangimento causado pelo hospital.

Muito abalada pela perda dos dois filhos, já que a criança que foi para Cachoeiro também foi a óbito, Dn. Sueli espera que o hospital seja responsabilizado pelo ocorrido.

O secretário de Saúde do Município de Itapemirim, Sr. Alex Wingler, diz ter ficado indignado com o fato, e que vai cobrar do Hospital uma apuração detalhada dos fatos, pois é inadmissível que acorra um erro tão grave como este e com profissionais tão experientes, como foi neste caso. Ele ainda disse que hoje foi a casa de Dn. Sueli e colocou a Secretaria de Saúde a disposição dela para amenizar o sofrimento da família.

Tentamos entrar em contato com o Hospital, mais não tivemos sucesso. Esperamos ouvir a diretora do hospital ainda esta semana, para esclarecermos mais esta situação.

A Prefeitura de Itapemirim informou que o hospital não acionou a assistência social após a morte da criança. O procedimento, segundo o órgão, é necessário para que o município ajude quando a família que não tem condições de arcar com os custos do enterro.